Notícias

'Olhar a cara dele nos jornais me faz lembrar tudo o que eu passei', diz vítima estuprada por criminoso foragido há oito dias

Em entrevista à Época, ela relata em detalhes, ainda abalada e aos prantos, os momentos de pavor passados com os criminosos

'Olhar a cara dele nos jornais me faz lembrar tudo o que eu passei', diz vítima estuprada por criminoso foragido há oito dias

Moradora de Ceilândia, no Distrito Federal, mesma região em que Lázaro Barbosa Sousa é suspeito de ter matado quatro pessoas, uma mulher lembrou dos momentos de terror que viveu nas mãos dele, quando tinha 19 anos. Em 2009, junto com o irmão mais novo, Deusdete — assassinado há cinco anos —, o crimnoso invadiu a casa onde ela morava com a família. Os dois estavam armados e, depois de torturar as vítimas, fugiram com a jovem para um matagal. Em entrevista à Época, ela relata em detalhes, ainda abalada e aos prantos, os momentos de pavor passados com os criminosos.

Invasão, tortura e sequestro

Eles estavam vigiando a nossa família tinha uns 15 dias, o Lázaro e o Deusdete. Eles invadiram a nossa chácara umas duas horas da manhã, se não me engano num domingo. Com arma, faca, muita violência. Muito cruéis. Creio serem torturadores natos, agiam há muito tempo. O Deusdete bem mais violento que o Lázaro na época. Subjugava a gente o tempo todo. Batia. Pediu para tirar a roupa, prendeu a gente no banheiro. E simplesmente eles me escolheram, me sequestraram, me levaram para o córrego, para o mato. E lá me violentaram, me xingaram, me bateram com a arma. Muito bárbaros. Não era para estarem soltos.

Mato cheio de espinhos

Foram muito violentos, a todo tempo. Fiquei toda cortada, as pernas cortadas, o corpo cortado no mato porque estava frio, estava molhado o mato, cheio de espinhos. São coisas assim que jamais vou esquecer. Momentos muito cruéis mesmo. Eu tinha certeza que ia morrer porque eles me colocaram perto do córrego, igual como fizeram com a Cleonice, da família Vidal (encontrada morta no dia 12 junho em mais um crime atribuído a Lázaro pela polícia), e ele simplesmente virou a arma para a minha cabeça e falou que ia me matar porque eu tinha visto o rosto deles. Até então eles não tinham tirado o capuz lá na chácara. Só tiraram para mim, no mato. Então eu tinha certeza que ia morrer.

Humilhação e subjugo

E nessa hora comecei a falar de Deus para ele e eu percebia que acalmava ele. Recitei um salmo da Bíblia para ele e eu perguntei para ele a todo tempo: "por que você está fazendo isso comigo? Eu não te fiz nada, eu nem conheço vocês". E ele só falava que tinha que fazer, que precisava fazer. Ao mesmo tempo que ele tinha um pouco de dó de mim, que não queria me matar, o Lázaro, em outro momento ele já queria agir com violência, me humilhar, me subjugar. Acho que tirar um pouco a minha moral como mulher.

Chegada da polícia

Aí graças a Deus o dia amanheceu, clareou. Aí eu comecei a ouvir barulho de viatura, de carro, de cães, do helicóptero. Aí nesse momento eu tentei acenar com a mão para o helicóptero. Ali eles ficaram muito nervosos, bem mais violentos. E ele falou que ia me matar. Nessa hora eu perdi todas as esperanças da minha vida. E falei para ele que o sonho da minha vida era ter um filho.

Certeza da morte

Aí não sei se eles tiveram piedade, não sei o que se passou naquele momento. Só sei que eles mandaram eu dar uns dez passos para a frente e eu dei. E quando eu perdi a conta dos dez passos eu pensei: "ah, eu vou morrer mesmo, eu vou olhar para trás". E quando eu olhei para trás eles estavam fugindo pelo córrego. Foi muito cruel o que eu passei. E quando eu estava saindo da mata e já estava de encontro com polícia, com helicóptero, com todo mundo, em seguida não acharam ele. Ele foi achado em outra cidade por uma delegada lá em Pirenópolis (Goiás). Fiz reconhecimento. O julgamento foi em 2010. Parece que ficou sete anos na Papuda, aqui no DF, e teve um saidão de Páscoa em 2016 e desde então vem praticando essas violências, essas barbáries. O irmão, Deusdete, morreu há cinco anos, num confronto, não sei se com bandido ou com a polícia.

'Está muito dolorido'

Eu estou muito abatida. A minha ansiedade voltou. Até então eu me dei muito bem com esse assunto até agora e eu confesso que ver o rosto dele em tudo que é jornal, tudo que é rede social e site, não está sendo fácil. Relembrar de tudo que passei. Está muito dolorido. Eu esperava mesmo que ele estivesse preso, não solto. E eu tinha um tanto de esperança enquanto a Cleonice estava desaparecida. Eu esperava que ele fosse deixar ela viver, como ele fez comigo. E quando eu vi que não, que ele matou ela e judiou dela tanto como ele fez. Porque não precisava judiar tanto dela. Não sei o que se passa na cabeça de uma pessoa doente dessa. Não precisava ele ter matado ela e ele matou, né? Então o chão se abriu para mim, o céu caiu. Está sendo um tanto difícil lidar com isso. Olhar para a cara dele e ter que lembrar por tudo que eu passei.

Fonte: Extra 

----------------------

Envie sua sugestão de conteúdo para a redação:
Whatsapp Business PORTAL SMO NOTÍCIAS (49) 9.9979-0446 / (49) 3621-4806

Cotações

Dólar Americano/Real Brasileiro

R$ 5,12

Dólar Americano/Real Brasileiro Turismo

R$ 5,62

Dólar Canadense/Real Brasileiro

R$ 4,08

Libra Esterlina/Real Brasileiro

R$ 7,11

Peso Argentino/Real Brasileiro

R$ 0,05

Bitcoin/Real Brasileiro

R$ 207,50

Litecoin/Real Brasileiro

R$ 711,88

Euro/Real Brasileiro

R$ 6,06

Clima

Publicidade Interna Lateral Pequeno