Notícias

Walter Feldman, cita que requisitos para entrar no país "não são claros" e "variam de acordo com o pessoal"

Feldman atua como Presidente da Câmara de Comércio Bernardo de Irigoyen

Walter Feldman, cita que requisitos para entrar no país "não são claros" e "variam de acordo com o pessoal"
Foto: Luiz Mário Osório / Portal Tri

O presidente da Câmara de Comércio Bernardo de Irigoyen, Walter Feldman, revelou que os requisitos para entrar no país "não são claros" e "variam de acordo com o pessoal".

As cidades fronteiriças onde os corredores sanitários possibilitaram a passagem em Misiones  estão passando por  intenso movimento  nos dias de hoje. Consultado a esse respeito, o presidente da  Câmara de Comércio Bernardo de Irigoyen, Walter Feldman, conversou com a Rádio República e contou sobre os problemas que têm na travessia internacional que divide com a cidade brasileira de Dionísio Cerqueira.

O mesmo alertou que existem muitas contradições e falta de organização por parte das Migrações e do pessoal de saúde no posto de saúde que funciona na fronteira. É que conforme detalhado os requisitos "não são claros" e "variam de acordo com a equipe" que está no momento fazendo os controles.

Consequentemente, solicitaram uma reunião com as autoridades do Hospital local para informar os pontos que irão especificar e informar os turistas ou visitantes.

Nesse contexto, ele indicou que comparecer com a PCR feita não garante que a admissão seja expedida.  "A PCR é feita aqui na Alfândega no mesmo posto de saúde. O que acontece é que depende do pessoal que está lá, eles falam que não adianta, são muitas contradições, falta organização e às vezes fazem em todo o grupo familiar, às vezes só um, são questões que são realmente muito mal administrados e não existe uma organização, até os próprios funcionários falam pra você que se esse pessoa for, ele te pede uma coisa e se eu for, eu te peço uma coisa dessas", disse.

Por tudo isso, a Câmara de Comércio Bernardo de Irigoyen solicitou uma reunião com a diretora do Hospital local, Graciela Noemí Ferreyra, porque " A Saúde de Nação não colocou nenhum representante ou gerente no posto de saúde . É uma das respostas que estamos esperando porque às vezes eles pedem uma coisa, às vezes outra, às vezes eles não pedem nada e  às vezes você passa pela alfândega e não há pessoal de imigração ou saúde , então é realmente não se entende a metodologia ou qual é o controle que estão fazendo. Aparentemente eles só querem aplicar o que é controle no horário comercial e é quando  prejudicam todos os comerciantes de Bernardo de Irigoyen", disse.

Salientou que não é respeitado o trânsito gratuito de bairro, pelo que não se deve solicitar PCR a quem reside num raio de 50 quilómetros na fronteira . "Há turistas do Brasil que vêm de 20 a 25 quilômetros e solicitam a entrada do PCR, quando foi informado que só vão pedir o cartão de vacinação", disse.

Longas filas e atrasos

Feldman revelou que para entrar no país "há muita espera" em parte porque "há pouco pessoal nas Migrações. A infraestrutura não é 100% utilizada e há pessoas que estão demorando entre duas ou duas horas e meia para poder reentrar na Argentina, principalmente turistas que vão passar férias no Brasil", disse.

E considerou que isso também é da responsabilidade da parte de saúde porque "o Hospital só nomeou uma pessoa para realizar o processo de controle de PCR e o grupo de pessoas que atravessa é demasiado grande para ter uma única pessoa. Durante o dia são dois agentes de saúde e à noite apenas um", relatou. 

Como há pouco pessoal de Migração nas Alfândegas e pouco pessoal de saúde, o chefe da Câmara de Comércio de Irigoyen afirmou que "as pessoas vêm e não querem fazer fila, ou demora muito para entrar e acaba entrando por passagens de fronteira que não são ativado . A maioria são turistas brasileiros, ou turistas de compras que vão a esses negócios da zona fronteiriça e acabam entrando ilegalmente", disse.

Atividade comercial

Sobre a venda de combustíveis aos brasileiros, Walter Feldman, comerciante e presidente da Câmara de Comércio Bernardo de Irigoyen comentou que "na fronteira houve um grande aumento nas vendas. Por lá estamos às vezes sem, mas à tarde podem voltar a ser vendidos ou obter combustível", acrescentou.

Como resultado disso, reconheceu que "há uma maior movimentação comercial em todos os setores, tanto nos supermercados, como bares de vinho e no setor da gastronomia. É isso que todos os comerciantes de Bernardo de Irigoyen procuram", destacou.

Questionado sobre a  venda ilegal de combustíveis na cidade, Feldman observou que "houve uma redução significativa de praticamente 100% porque o Município editou uma portaria onde proibia a venda de tambores não autorizados a postos de serviço, pelo que estas posições clandestinas ilegais não são vistas".

 

Fonte: Primeira edição

----------------------

Envie sua sugestão de conteúdo para a redação:
Whatsapp Business PORTAL SMO NOTÍCIAS (49) 9.9979-0446 / (49) 3621-4806

Cotações

Dólar Americano/Real Brasileiro

R$ 5,46

Dólar Americano/Real Brasileiro Turismo

R$ 5,76

Dólar Canadense/Real Brasileiro

R$ 4,34

Libra Esterlina/Real Brasileiro

R$ 7,40

Peso Argentino/Real Brasileiro

R$ 0,05

Bitcoin/Real Brasileiro

R$ 195,26

Litecoin/Real Brasileiro

R$ 581,95

Euro/Real Brasileiro

R$ 6,19

Clima

Sábado
Máxima 35º - Mínima 23º
Períodos nublados

Domingo
Máxima 36º - Mínima 23º
Períodos nublados com aguaceiros e tempestades

Segunda
Máxima 36º - Mínima 22º
Períodos nublados com aguaceiros e tempestades

Terça
Máxima 37º - Mínima 22º
Períodos nublados com aguaceiros e tempestades

Quarta
Máxima 36º - Mínima 22º
Períodos nublados com aguaceiros e tempestades